terça-feira, 1 de maio de 2007

Estafeta com Fernando Pessoa.


A quadra é o vaso de flores que o Povo põe à janela da sua Alma.
Fernando Pessoa






A quadra é a poesia do Povo.
José Capela





Num destes dias revisitei Fernando Pessoa e ao ler as suas quadras ao gosto popular, surgiu-me a ideia de com ele fazer uma "estafeta de versos" . Assim, Pessoa vai "correr com letra itálica" e eu vou "correr com letra normal". O maior poeta português levará com facilidade o seu testemunho ao Povo, eu aproveito a sua "corrida" para tentar lá chegar!

Teus olhos esntristecem.
Nem ouves o que te digo.
Dormem, sonham, esquecem...
Não me ouves, e prossigo.

Os meus olhos são pedra rara
Que desconheço o valor,
Não se vê de forma clara
A paixão e o amor.

Olhas-me de repente
De um distante impreciso
Com um olhar ausente.
Começas um sorriso.

Se me olhares em profundidade,
Talvez consigas uma leitura,
Que vai do sonho à realidade
Com sedução à mistura.

Floriu a roseira toda
Com rosas de trepar...
Tua cabeça anda à roda
Mas sabes-te equilibrar.

Um jardim nasceu
Dentro do meu peito,
Junta o teu coração ao meu
Para o amor ser perfeito.

Se eu te pudesse dizer
O que nunca te direi,
Tu terias que entender
Aquilo que nem eu sei.

Ofereço-te um rosa encarnada.
Escrever seria em vão!
As palavras não dizem nada
Quando fala o coração.

Tenho um livrinho onde escrevo
Quando me esqueço de ti.
É um livro de capa negra
Onde ainda nada escrevi.

Um beijo muito demorado
Na tua boca de mel,
Para que o amor fique agarrado
Como a tinta ao papel.

Nos meses de Maio e Junho existem muitas festas e romarias no norte de Portugal, época também fértil em corridas populares, às quais eu me associo com a paixão e a alegria que fazem desta vertente do atletismo uma modalidade verdadeiramente do Povo.

Haja pernas!!!

2 comentários:

Maria Sem Frio Nem Casa disse...

Uau Zé!

Gostei.

Sem mais palavras.

Jackelyne disse...

oi Zé!
Ainda vou correr ai em Portugal... Só não sei quando.. Me aguarde!

beijos