segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

Meia-Maratona Manuela Machado: Contra ventos não houve argumentos!

Na última semana bateu-se um enorme temporal sobre o norte do país. Chuvas e ventos fortes estavam na ordem do dia, aliás a Protecção Civil, anunciava permanentemente alertas para os distritos de Braga e Viana do Castelo. Mas atleta que se preze e que goste de agitar as endorfinas, dá poucos ouvidos a este tipo de avisos. Assim, os treinos dos últimos dias foram feitos debaixo de chuvas intensas e ventos que até arrancaram árvores! Com este panorama e segundo os meteorologistas para a manhã de domingo não era esperado nenhum dia ameno.

Cheguei a Viana bastante cedo, até nem foi preciso estacionar o carro no parque pago junto à antiga doca, ficou mesmo em frente ao Navio-Museu Gil Eanes e à borla! Quando saí do carro, não chovia mas já corria um vento bastante desagradável e sobretudo muito frio. Subi a avenida onde é dada a partida e chegada e a azáfama da organização em manter de pé as grades, as bandeiras e as faixas publicitárias ali colocadas era grande, sinais que o tempo continuava a fazer estragos. A Manuela Machado andava numa roda-viva. Levantei os dorsais sem qualquer espécie de fila e comecei a duvidar que os 2000 atletas que a organização anunciou fossem atingidos. Obviamente, muitos preferiram ficar, como disse o outro - na caminha - a ir correr com esta invernia.

Como estava frio comecei a fazer o aquecimento com 45 minutos de antecedência da hora da partida. Entretanto os atletas começavam a aparecer de todos os lados e também a fazerem-se notar os inúmeros espanhóis que a organização garantia ter presentes. Nos trotes ligeiros do aquecimento, quando corríamos para Norte o vento travava, para Sul o vento empurrava, outras vezes pura e simplesmente atrapalhava. Nas habituais impressões que se trocam entre os atletas era unânime ouvir-se que ia ser uma corrida difícil e nada propícia a grandes tempos.

Para continuar na senda dos records teria de concluir a prova abaixo de 1h18m47s! Pareceu-me que não era o dia ideal para isso, não pela minha condição física, mas pelas condições climatéricas. Mas como sou teimoso, disse para mim - partes para o tempo que te dê o record, se não for possível, paciência!

Encaminhei-me para a partida, fui furando entre este e aquele e até consegui um bom lugar. Apesar do tempo adverso e embora longe dos números esperados pela organização do evento, ainda assim estava muita gente. A partida foi dada e tento agrupar-me a atletas que tem ritmos idênticos aos meus, para ver se seguindo em grupo, minorava as dificuldades que se perspectivavam. Dobrei o km 5 em 18m15s, o que era bastante bom! O vento até aqui não atrapalhou, não seguia propriamente em grupo, mas também não ia só, ultrapassava aqui e ali um atleta ou era ultrapassado. Dos 5 aos 1o kms saímos de Viana e rumamos a Cardielos, à freguesia de onde é natural a Manuela Machado, o percurso é feito num sobe e desce, nada de muito difícil, atenuado até pela ajuda do vento. Aqui já seguia praticamente entregue a mim próprio, mantendo um ritmo dentro dos 3m42s/km, que era excelente, mas estava a desconfiar que quando tivesse de correr no sentido inverso, a corrida ia complicar-se. Cheguei aos 10 kms com 36m44s, que dava uma margem positiva de cerca de 30 segundos para a obtenção do record. Estava a fazer um trabalho de formiga, tentando amealhar segundos necessários quando o vento era favorável, para depois poder perdê-los quando este se revelasse desfavorável! Depois do retorno próximo dos 12 kms, o que se suspeitava que ia acontecer, acontecia mesmo. O vento estava mesmo contra, era necessário imprimir mais força nas pernas, tentava-se chegar a um colega e ficar escondido atrás dele, olhava-se em frente e esperava-se que junto aquele muro alto fosse mais abrigado. Puro engano! O meu cronómetro na passagem dos 15 km sentenciava que o que amealhei até aos 10 km estava esbanjando e que até já contabilizava um prejuízo de 10 segundos. Como se seguiam 2 km a descer e o meu optimismo não é fácil de abalar, ainda acreditava que o vento pudesse dar uma trégua e o record ser alcançado. Esta ilusão demorou muito pouco, entre o km 17 e 18 o vento era forte demais, por momentos quase me parou e as consequências no cronómetro foram devastadoras - 1 km em 4m18s! Depois fica muito difícil voltar ao ritmo e só dos 19 para os 20 km consegui 3m48s, mas era demasiado tarde e o record já o vento o tinha levado!
Cortei a meta com 1h19m40s, atendendo às circunstâncias até foi um tempo simpático. Fui 79º lugar na classificação geral entre os 999 que terminaram a prova e no escalão veteranos 45-50 anos, 7º em 170.

Não adianta chorar os caprichos da natureza, a leveza das minhas pernas não tiveram argumentos para o vento. O record pode esperar, ainda estamos no início de 2009 e até ao fim não vão faltar oportunidades para o superar!

10 comentários:

Mark Velhote disse...

Olá José,

O discurso optimista acabou por resultar para o meu lado! Não deu para seguir atrás de ti, mas fica para uma próxima! :D

Cruzei-me contigo no retorno e realmente dava para ver que o vento contra te ia a fazer mossa!
Ainda assim é um tempo fantástico!

Abraço

joaquim adelino disse...

Amigo Capela
Parabéns pela magnífica prova que fez e os esforços para tentar novo recorde. Em circunstâncias normais e o recorde tinda sido alcançado.
Quem sabe se Lisboa não será uma boa oportunidade?.
Um dia gostava de fazer essa prova, simbolizava a minha modesta homenagem à grande atleta que foi a Manuela Machado.
Um abraço.

Jorge disse...

Caro amigo Capela, meus parabéns por mais uma prova para seu curriculo esportivo, mesmo com as adversidades do tempo vcs não deixarão de correr, gostei do que vc disse no ultimo parágrafo se o record nesta prova não veio, com certeza na próxima virá.

Boa semaana camarada,

JORGE CERQUEIRA

Carlos Lopes disse...

Olá Capela.

que não conseguimos hoje, teremos amanha e com a força que o ze tem, então manha será dia de um novo recorde. parabéns pela prova, relato e o tempo.

luis mota disse...

Olá José!
Parabéns pelo resultado alcançado.
Ao que parece a prova, segundo alguns GPS, teria mais alguns metros. Assim sendo, com estas condições foi um belo tempo.
Votos de boas corridas,
Luís Mota

Anónimo disse...

Grande Capela o vente levou o record desta vez mas nao te levou essa vontade grande que tens um abraço e parabens
Eu estou a melhorar inspirando-me em ti um abraço

Manuel Mendes TEAM U.M .V.S,C

MPaiva disse...

Capela,
Muitos parabéns pela prova e pela luta que travaste contra o vento. Nas condições em que decorreu a prova o tempo alcançado é muito bom e, estou certo, haverão outras oportunidades para fazer cair esse record!

abraço
MPaiva

Fernando Andrade. disse...

Grande tempo, amigo Capela!
Que se lixe o record, que surgirá num dia em que o vento, se tiver de lá estar, que seja a favor,eheh.

Quanto ao "papa-maratonas", afinal, p'ra que é que eu quero as pernas?

Grande abraço.

Flechinhas disse...

Parabens, acima de tudo pela preseverança, que é das qualidades que mais aprecio!

Anónimo disse...

Olá Zé,

É inutil lutar contra o vento. Mesmo assim fizeste um bom tempo!

Beijocas

Manuela