segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

Razões do corpo.

Entre a Maratona do Porto (26 de Outubro) onde fixei o meu novo record e a Meia-Maratona Manuela Machado (25 de Janeiro) em que o vento traiu um resultado ainda melhor, passaram-se 3 meses. Neste espaço de tempo, corri a 'meia' da Nazaré onde tive um óptimo desempenho, a seguir a 'meia' da Marinha Grande onde estabeleci a minha melhor marca, depois as S. Silvestres do Porto e Santo Tirso, com excelentes performances e por fim pulverizei o record dos 15 km no Nacional de Estrada disputado em Mirandela.

Estes resultados levaram-me a fazer algumas reflexões acerca do treino que fiz durante os últimos meses. A primeira coisa a referir, desde logo, é que a preparação para a maratona, quando feita de forma adequada, reflecte-se não só na maratona propriamente dita, como também nas corridas seguintes. Em segundo lugar, a importância de refrear o entusiasmo gerado pela obtenção de boas marcas, que no passado me levou a cometer o erro de aumentar muito as cargas de treino, pensando que deste modo alcançaria mais rápido melhores resultados. Raramente falho um treino, mas comecei a desempenha-lo seguindo a regra do bom senso.

Especificamente, treinei para a 'prova rainha' durante 9 semanas, com direito apenas a dois dias de descanso e uma média semanal de kms nunca inferior a 90, o que totalizou 61 de treinos e 882 kms percorridos.
Após a maratona, durante 3 dias fiz caminhada ligeira, regressei aos treinos a ritmos muito sauves e a partir da segunda semana comecei a aumentar a carga gradualmente. Durante a preparação para a maratona, a meio da semana tinha um dia na pista de tartan reservado às séries, cujo número de repetições variou entre as 6 e as 12. Depois deixei de fazer séries e optei pelo Fartlek efectuado num circuito em terra de cerca de 1 km, com subidas e descidas, que constava basicamente em correr 300 mts rápidos e os restantes a um ritmo mais moderado. O número de kms neste método oscilou entre os 8 e os 12 km, dependendo da proximidade das competições. Obviamente, tanto o treino de séries como o Fartlek, era sempre precedido de 25 minutos de aquecimento e depois, no final, 15 minutos de regresso à calma. Também dei particular atenção aos alongamentos, parecendo coisa de menor importância, mas que se revelam essenciais na prevenção de lesões e consolidação muscular.

Comecei esta paixão pela corrida com quase 40 anos e conto já no meu curriculum com 8 maratonas e 46 meias-maratonas! Esta experiência de 7 anos, de muitos dias de treino e kms nas pernas, ensinaram-me que o mais importante para mim, atleta veterano, é a forma como recupero dos treinos fortes e a regularidade com que os faço. Treino diariamente, para ter disponibilidade e condições físicas, tento também ter uma alimentação adequada e umas boas horas de sono retemperador. Não adianta calçar as sapatilhas para correr quando se está cansado! Também cheguei à conclusão que as séries curtas de 100, 200 e 300 mts, que outrora utilizava com a finalidade de ganhar velocidade, não me traziam grandes benefícios, antes pelo contrário provocavam-me bastante desgaste muscular e retardavam a minha recuperação. Prefiro fazer rectas de 150 mts em ritmo progressivo duas vezes por semana e no fim de um ou outro treino de corrida contínua. Gostaria ainda de referir a importância da planificação e registo do treino. Anoto todos os dias o tipo de treino, número de kms percorridos, o tempo efectuado, o ritmo e as características do terreno. A recolha destes dados permite fazer comparações, análises do estado de forma e a evolução do rendimento ao longo dos anos.

A campeoníssima Paula Radcliffe disse um dia que o seu sucesso e a sua longevidade de atleta de alta competição se devia ao saber escutar os sinais do corpo. Talvez os anos que tenho de prática de corrida ainda não me confiram a maturidade suficiente para ter essa percepção, por enquanto apenas me guio pelas razões do corpo.

14 comentários:

Mark Velhote disse...

Olá José,

Sem dúvida! Neste mundo maravilhoso das corridas somos aquilo que treinamos!
Com um planeamento eficaz conseguimos ir mais longe, mas tb é importante saber quando parar para descansar e dar importância às outras coisas importantes da nossa vida!

Abraço

PS: Então em Fevereiro não há pernas para nenhuma prova?

joaquim adelino disse...

Parabéns e obrigado pela partilha do modo como orienta os seus treinos. Pode crer que são muito preciosos para os que lêm, mesmo para aqueles que têm o mesmo cuidado mas que os pormenores trazem muito de novo.
Continue assim, porque eu comecei também aos 40 e já cá ando à 20 e contabilizo grandes marcas (para um veterano, obviamente) que um dia, se tiver para aí virado, ainda vou divulgar aqui.
Um abraço.

Carlos Lopes disse...

Ola José...

Parabéns por partilhar um pouco de ti aqui no blog. li e aprendi algo " não vale a pena treinar se não existe um bom descanso". Mais uma vez os meus parabéns por este post.

João Meixedo disse...

Excelente!
Eu, que não sou adepto de posts longos, apreciei bastante a leitura e aprendi com ela. Como aprendiz de feiticeiro nestas andanças, aprendo todos os dias.
Um abraço.

BritoRunner disse...

Olá José
Um planeamento adaptado e individualizado em que o praticante perceba a dinâmica das cargas é muito importante. Igualmente importante é cada um perceber quais os sinais que o corpo vai dando e que temos que respeitar.
O processo de treino tem de ser diariamente analisado e em caso de necessidade alterado.

Bons treinos e melhores provas
JCbrito

MPaiva disse...

Capela,
Esta é uma excelente reflexão sobre a relação entre o treino e a performance, sempre com a manutenção do prazer pela corrida como fundo de tudo.
Infelizmente tenho sentido nas últimas semanas algumas consequências do impeto natural de quem se "atira de cabeça" e esquece pormenores importantes. Afinal, correr não é só... correr. Tal como o post explica, há muitas outras coisas que tem influência.

abraço
MPaiva

Anónimo disse...

Olá Zé,

Gostei deste post, demonstra uma grande reflexao sobre ti mesmo. Um atleta nao pode só pensar em grandes marcas!

Beijocas.

Manuela

André Cruz - Xampa disse...

Parabéns por escutar o corpo e aprender com ele.
Planificar os treinos e provas tb é muito importante, o que não é controlado não é administrado.
Eu preciso evoluir nesse quesito.
Mas, nessa semana vou procurar uma treinadora de corridas. Definitivamente, para evoluir precisarei de acompanhamento. Não só evoluir, mas evoluir sem danos.
Abs.

Anónimo disse...

Tal como como o José, também eu comecei a praticar Atletismo um pouco tarde, ainda que, mais cedo(com 26 anos...). Nestes 3 anos desta vida, já conto com 2 Maratonas, umas 2 dezenas de meias-maratonas e outras tantas provas de 10 Km... Há 5 anos atrás, se alguém me dissesse que eu faria uma Maratona (eu... que toda a vida só vi Futebol à minha frente!), recomendaria a essa pessoa um tratamento num Hospital Psiquiátrico... Destes (poucos) anos que levo disto, e pela experiência que tenho com os meus alunos na escola, cheguei à conclusão que não se pode forçar ninguém a correr... Como me disse uma vez o José Regalo (meu professor na Faculdade):"aprende-se a gostar da corrida... ninguém nos pode obrigar a isso".

Também concordo com o José quando diz que temos que ouvir o nosso corpo e aprender com a nossa experiência: qual o melhor treino para melhorarmos o nosso rendimento; o tempo que cada um necessita para recuperar; variar com outros desportos (ciclismo, natação, trabalho de ginásio...); e, mais importante, não ficarmos obsecados com o Atletismo... o fundamentalismo não leva a lado nenhum!!!

Grande Abraço

Paulo Freitas

luis mota disse...

Olá José!
A análise e reflexão são importantes no processo de treino.
A motivação é fundamental!
Continuação de boas corridas,
Luís Mota

Anónimo disse...

Excelente post José Capela.
Obrigado pela partilha da sabedoria acumulada nas pernas.
um abraço e boas corridas.
ab - tartaruga.

José Alberto disse...

Olá José,

Muito importante esta sua partilha de conhecimentos e experiências.

Aquilo que escreveu deverá servir de reflexão para todos aqueles que correm, pois foca muitos assuntos importantes nesta nossa vida de corredores, uns de horas vagas, outros nem tanto.

Um abraço

José Alberto

Anónimo disse...

Grande Capela só me falta a tua cabeça para saber treinar para chegar perto de ti

um abraço

Cláudia disse...

Oi, Capela! Passei aqui só para lhe informar que lhe indiquei para o prêmio "Olha que Blog maneiro".
Veja as regras meu Blog http://betaendorfina.blogspot.com

Boa Semana!