terça-feira, 10 de novembro de 2009

Maratona do Porto: Passeio, dor e glória!


Estamos no Outono e o exemplo dos últimos dias anunciava que a maratona iria ser corrida com um tempo cinzento e com a possibilidade de ocorrência de chuva. Obviamente que estes caprichos da meteorologia não assustam nenhum atleta, desde que a temperatura não seja muito baixa, aliás até podem de algum modo benéficos. No entanto, se falarmos de vento a coisa já ganha outros contornos e todos torcem o nariz - na verdade o vento nunca é muito amigo dos corredores. O percurso onde a corrida se desenrola, todos o sabem, é muito exposto às deslocações do ar, os amigos aqui da blogosfera que habitam na Invicta e arredores deram conta da ventania que na sexta-feira e no sábado fustigou a zona da Foz. As previsões de tempo apontavam que o vento iria ser de noroeste, atingindo os 21 km/h. Os mais entendidos na matéria avisaram que, nestas condições, os atletas iriam ter de enfrentar o "inimigo" entre os 30 e 40 km da corrida.

Mas previsões não passam disso mesmo e muitas vezes não se confirmam depois na realidade - foi o que efectivamente aconteceu! No entanto, todo este burburinho em volta do vento, levou-me a redefinir a minha estratégia para a corrida. Sentia-me bem e confiante em baixar a fasquia das 2h50m, mas se rolasse a 4 minutos/km e consequentemente passasse a meia-maratona com cerca de 1h24m, a margem de quebra que tinha para a segunda parte da corrida podia ser levada pelo vento, caso este resolvesse aparecer na altura em que surge a barreira dos 30 kms.

O tiro da partida surgiu e o colorido dos atletas foi rompendo entre a manhã cinzenta e a chuva miudinha, no entanto sem ponta de vento! Lá segui com um pequeno grupo, onde me perguntaram a que ritmo iria correr. Informei que iria rolar nos primeiros kms dentro dos 3m50s-3m55s/km aproveitando a inclinação favorável do terreno para amealhar alguns segundos, que poderiam ser preciosos na parte final da corrida, caso o vento quisesse dar um ar da sua desgraça!

Relembrei no último post que uma coisa é a teoria, depois a prática pode ditar outro rumo dos acontecimentos. Quando se corre à chuva parece que há uma tendência de correr mais rápido, como se estivéssemos a fugir dela. Assim, integrado num pequeno grupo desci a avenida da Boavista, passei a Foz, atravessei a ponte D. Luís e passeei-me pelo cais de Gaia, num andamento solto a rondar os 3m55s/km, dobrando a meia-maratona na Afurada com 1h22m30s. O balanço nesta altura era óptimo, sentia-me bem e a margem para alcançar o objectivo era muito animadora. Continuei a engolir os kms nesse ritmo, mas por esta altura já só contava com a companhia da Patrícia, atleta do N.A. Joane. Fomos os dois até aos 28 kms, depois ela começou a quebrar e fiquei sozinho, nada que me apoquentasse ou a que não estivesse habituado. Mantive o bom andamento, nunca excedendo os 4 minutos/km e aos 35 kms sentia que iria fazer um excelente tempo e só uma situação anormal me impediria de tal feito. Mas convém sempre ter em mente que até ao lavar dos cestos é vindima e que a corrida só termina quando cortamos a meta.

Depois de ter ultrapassado o paralelo das palmeiras da Foz, a seguir à placa dos 38 kms, senti uma pontada na coxa direita e uma leve dor a instalar-se! Não entrei em pânico, a margem para a obtenção do objectivo era grande e como estava a poucos kms da meta acreditei que era possível gerir esta contrariedade. Abrandei o ritmo para seguir de forma mais confortável, passando a rolar a 4m20s/km. Na avenida Brasil sou dobrado pelo campeoníssimo António Pinto, que percebeu a minha dificuldade e me disse para ir na "roda" dele. Nem tentei, preferi ir na minha e suportando alguma dor cheguei aos 40 kms junto ao Edifício Transparente com o tempo de 2h38m22s. A garrafa de água que recebi no abastecimento deitei-a na zona da coxa que me doía e como estava fria senti um alívio de imediato. Entretanto, aos 41 kms, o companheiro de muitas corridas, Francisco Novais do Vitória S.C,, ultrapassou-me na subida do Bela Cruz e eu apanhei a boleia e segui no ritmo dele. A meta estava ali à frente dos olhos! A dor tinha desaparecido e num último fôlego corria abaixo dos 4 minutos/km! Movido pelo incentivo dos amigos e do público entrei na recta final em sprint e ao cruzar a meta o cronómetro registou o fantástico tempo de 2h47m47s!

Concluí a minha 10ª maratona!
O vento não apareceu.
O paralelo não é muito amigo das minhas pernas.
Perdi na segunda parte da corrida 2m47s.
A dor que senti desapareceu e nunca mais deu sinais.
O objectivo foi largamente alcançado!
O meu record foi melhorado em 4m11s!

As últimas palavras são para os meus companheiros do N.A. TAIPAS. Dos 25 inscritos, 23 concluíram a prova, todos com excelentes tempos e cumprindo os objectivos que se tinham proposto. Quando em 2004, também no Porto, me aventurei na maratona juntamente com 6 amigos, estava longe de imaginar que volvidos 5 anos o movimento em torno da maratona atingisse tamanha dimensão.
Na classificação geral por equipas, O N.A. TAIPAS foi o primeiro entre as 25 equipas que pontuaram.

Estamos todos de parabéns!

Viva a maratona!

10 comentários:

joaquim adelino disse...

Parabéns amigo Capela, que bonita história faz da sua prova, mesmo a parte de maior sofrimento tem o seu encanto, é uma luta contra a contrariedade física que teima em tramar-nos, vá-se lá saber que dor era aquela e que de repente foi embora no silêncio, tal como apareceu? A Maratona é pródiga na incerteza e a cada momento podemos ser traídos por algo que nunca esperamos e só a persistência, o querer e a garra de cada um consegue levar de vencida um desafio tão aliciante que é concluir uma Maratona dentro das previsões que julgamos ser capazes de conseguir.
Foi de facto fantástico a marca alcançada, o tempo meteorológico esteve de feição e está ligado intimamente ás boas marcas que muitos atletas alcançaram, entre os quais o meu amigo Capela. Dou-lhe os meus sinceros parabéns pelo recorde alcançado num percurso algo sinuoso na parte final, valorizando ainda mais este feito alcançado.
Abraço.

António Almeida disse...

Amigo Capela
parabéns pelo excelente tempo obtido e pela já longa carreira de maratonista.
Parabéns igualmente pelo 1º lugar do NAT, notável a qualidade dos atletas presentes.
Boa recuperação.
Abraço.

MPaiva disse...

Capela,

Felizmente que S. Pedro quis dar uma ajuda aos atletas e brindar-nos, a todos, com condições bem propícias para que pudessemos alcançar os nossos objectivos.
Parabéns pelo excelente prova e pelo magnífico record alcançado, bem como pelas capacidades de pregação que dás mostras pelas terras das Taipas. É que, à quantidade conseguiste juntar um nível qualitativo de elevada craveira, justamente brindado com a primeiro lugar colectivo.

Parabéns a todos!

abraço
MPaiva

Anónimo disse...

Olá Zé,

Com esse magnifico record alcançado no Porto ficamos á tua espera em Roterdão.
Muitos parabéns!!

Beijo
Manuela

luis mota disse...

Olá Capela!
Excelente desempenho!
O trabalho deu os seus frutos, com o objectivo plenamente alcançado.
Felicito também a “grande” comitiva de Taipas que alcançou o merecido prémio. Grandes campeões!
Uma boa semana para todos,
Luís Mota

Anónimo disse...

estas um monstro capela n sei onde vais parar, prova fantastica e finalmente atreveste te a bater o teu recorde em mais de 1 minuto de uma vez só (aahahahaah). Muitos parabéns penso que o tempo do Luis Mota vai ser o nosso farol para as proximas maratonas

abraço

paulo martins (leoes de kantaoui)

Mark Velhote disse...

Olá Capela,

Que excelente prova apesar do contratempo nos kms finais! Muitos parabéns com a certeza de que vais continuar a somar records em todas as provas que participas.
Parabéns extensivos ao NA Taipas que dominou por completo as ruas do Porto e Gaia.

Grande abraço

Anónimo disse...

Amigo Capela parabens de record em record se vai fazendo a tua carreira es um canpeao..

Manuel Mendes V.S.C

NK disse...

Muitos parabéns!
Uma prestação ao nível profissional!

João Paulo Meixedo disse...

Tudo em grande, Capela; da prova ao relato. No final da prova, quem andava lá a coxear era o próprio António Pinto.
Aquele abraço.