terça-feira, 28 de outubro de 2008

Maratona do Porto: O brilho de um record!

Foram muitas as horas e muitos os quilómetros nas pernas durante as nove semanas de treino de preparação para a Maratona do Porto. Mas não pensem que constituiu qualquer espécie de sacrifício, antes pelo contrário, foram excelentes os momentos de convívio com os meus companheiros de equipa, onde a boa disposição era misturada, naturalmente, com o suor dos exigentes treinos que cada um tinha que fazer. Atrevo-me até a adulterar um antigo adágio popular para traduzir a entrega e o prazer com que os bravos maratonistas do meu grupo demonstraram durante estas semanas: Quem corre por gosto não cansa, diverte-se!
.
Todos os corredores da maratona,quando chegam à última semana sentem que o treino já está feito. Os dias que antecedem a 'prova rainha' são para o descanso activo e como estamos no Outono, costumamos dizer que são apenas uns 'trotes ligeiros' para varrer as folhas das árvores que vão caindo sobre o parque. Conversamos sobre maratonas passadas, tentando exorcizar as experiências negativas ou focando os aspectos gloriosos. Digamos que, de uma forma prosaica, estamos a fazer o que os entendidos designam por preparação psicológica!

O que mais me preocupa nesta última semana é o receio de ser atacado por alguma gripe! Na segunda-feira comecei a sentir uma leve indisposição no estômago, mas não dei grande importância, pois achava que a corridinha leve do fim do dia seria o suficiente para repor a normalidade. Puro engano! A coisa complicou-se de tal modo que, na terça-feira fui acometido de tamanho mal-estar que cheguei a pensar que a maratona estava em risco. Felizmente ainda fui a tempo de me safar desta maleita, sem ter de deixar de ouvir as bocas lá da malta, que as minhas dores de barriga eram sintomas de medo! Quem tinha no seu historial sete maratonas ia lá ter medo! Ainda fui ironizando dizendo que tenho muito mais pernas que barriga!

No domingo estava uma bela manhã de sol e como a hora tinha atrasado, às 8 horas da manhã já o astro rei brilhava mais alto. Gosto de chegar cedo ao local da partida para sentir a envolvência da prova e fazer subir a adrenalina. O objectivo, apesar do imprevisto dos últimos dias, não foi minimamente alterado, iria correr para o record! Foi para isso que treinei, não fazia sentido alterar e além do mais no momento sentia-me bem, se depois lá mais para a frente me ressentisse, paciência!

Tinha combinado com dois companheiros, não da minha equipa mas de muitas corridas, fazermos a maratona juntos. Temos andamentos idênticos e a estratégia era rolar, em termos médios entre os 4m06s/km e 4m10s/km ao longo de toda a prova, com a noção que o percurso na primeira parte é mais fácil, mas não caindo na ratoeira de querer ir mais rápido logo no início. Apontávamos a passagem à 'meia' dentro da 1h26m e um tempo final de 2h55m. Foi com esta táctica que os três mosqueteiros se lançaram à corrida e foram engolindo os quilómetros. Até ao décimo quilómetro ainda houve a confusão de se saber quem são os maratonistas e os corredores da 'Family Race', mas a partir daí o asfalto e também o maldito paralelo ficavam definitivamente por conta dos bravos da maratona. A cavalgada dos mosqueteiros continuou em passo certo, aqui e ali ultrapassando ou aglutinando um grupo, mas sempre dentro do ritmo estipulado. No tapete da meia-maratona o nosso tempo de passagem foi de 1h26m19s e com uma frescura que permitia encarar a segunda parte da corrida com muito optimismo!

Os quilómetros foram passando e o nosso ritmo continuava imperturbável, certinho como a corrente do rio Douro. No quilómetro vinte e cinco junto à ponte D. Luís os mosqueteiros já seguiam sozinhos estrada fora. Os abastecimentos começam a ser imprescindíveis e a ajuda entre nós foi exemplar. Rumávamos agora até ao retorno do Freixo, aqui podíamos ver os atletas que iam à nossa frente e que já regressavam no sentido inverso, mas na verdade não vimos muitos o que era um bom indicador para a nossa prestação. Assim chegamos ao trigésimo quilómetro com o tempo de 2h02m45s e uma excelente média de 4m05,5s/km. Mas como costumo dizer: A maratona é um passeio de trinta quilómetros e uma prova de doze quilómetros mais cento e noventa e cinco metros, que ia começar nesse preciso momento! Agora é que os mosqueteiros teriam de dar corda...às pernas!

Estoicamente até ao 'famoso muro' do trigésimo quinto quilómetro que anunciava 2h23m29s, a média sofria um pequeno abalo, mas este verdadeiro trio de ataque ia-se aguentando com muita valentia. O inevitável paralelo das palmeiras da Foz é dificil de dobrar, onde é possível salta-se para o passeio, tentando descobrir um trilho melhor, mas não há nada a fazer, ali é o 'cabo das tormentas' que foi vencido com o custo de alguns preciosos segundos. Com a avenida Brasil aos nossos pés e o quilómetro quarenta nos olhos, o meu cronómetro marcava 2h45m14s. No horizonte, cada vez mais visível surgia o record. Na subida do quilómetro quarenta e um tinha uma verdadeira claque de apoio composta pelos atletas do meu clube que tinham feito a 'Family Race' - galvanizado por este estímulo imprimi um ritmo mais forte, os outros mosqueteiros cederam um bocadinho e eu galguei o quadragésimo segundo quilómetro em 4m03s, ainda com fôlego para dizer, a um amigo que me aplaudia, que o record estava no papo, entrando na recta da meta com um sprint e os olhos no relógio electrónico que ia marcando o tempo de 2h53m55s...2h54m05s...2h54m15s quando o passei!

Segundos depois chega o segundo mosqueteiro, Manuel Mendes, que disse que me acompanhava até onde as forças dele dessem! Imediatamente a seguir chegou o outro mosqueteiro, Alberto Soares, companheiro de muitas 'meias' e que sempre me prometeu que ia ajudar-me a bater o record na maratona, possuidor de uma forte determinação e inexcedível na ajuda, cumprindo integralmente o prometido. Faço também questão de, enaltecer todos os elementos do NATaipas, pelos excelentes resultados obtidos, tanto a nível colectivo como individualmente. Um grande Obrigado a todos! A maratona é uma corrida onde o espírito de solidariedade entre os atletas é mais forte, o que a torna ainda mais distinta e especial!
.
Foi no Porto que, em 2004, me tornei maratonista, corri todas as edições seguintes, tenho um enorme afecto pela cidade e pela prova e era aqui que desejava bater o meu record! Tudo correu na perfeição, fui 47º na classificação geral e alcancei o privilégio de ir ao pódio pelo 2º lugar no escalão 45-50 anos! Foi um domingo onde o sol brilhou especialmente para mim!

13 comentários:

Anónimo disse...

Há precisamente um ano atrás, ao ler a tua crónica de então senti-me, também eu, correr a maratona ao teu lado. Muitos parabéns.
Se calhar continuas a ser uma motivação para que continue a correr todos os dias. Se calhar, e depois de conversarmos longamente antes da prova deste deste fim-de- semana és uma das minhas maiores motivações para, no próximo ano tentar fazer a minha primeira maratona... Já comuniquei à família para que me possam aturar quando a data se aproximar mas, muita mais gente vai ter que aturar as 4 horas que vão ter que esperar por mim para acaber... é que gostava tanto de fazer o teu tempo/km da maratona em provas de 10Km...
Repetidamente parabéns para ti e para todos os taipenses que continuam a correr cada vez mais e mais depressa.
Grande abraço
Xico Costa

António Almeida disse...

Amigo Capela

os meus parabéns pela marca e pelo 2º lugar no escalão, notável.
Pena não o ter visto mas tenho uma foto sua na minha máquina fotográfica(tirada pela minha esposa que estava com a Ana Pereira).
Uma boa recuperação.
Grande abraço,
António Almeida

luis mota disse...

Parabéns pela excelente participação e pelo resultado alcançado.
Luís mota

Anónimo disse...

Capela só quero dizer que me arrepiei ao ler o comentario e fiquei orgulhoso com o meu tempo mas tambem muito orgulhoso com o teu um abraço tambem para o outro colega

Manuel Mendes

Fernando Andrade. disse...

Bravo, Amigo Capela

Pelo excelente controlo que lhe permitiu bater este invejavel record pessoal !
Parabéns.
Ah... e por ser um dos totalistas da prova! Sei de 3.
Felicito-o, também pela referência ao seu blogue no último número da Spiridon.

Grande abraço.

Fernando Andrade

Ricardo Hoffmann disse...

Parabéns pela prova, pelo belo relato e pelo sub-3h. Arrebentou!

Carlos Lopes disse...

Amigo Capela

Os meus parabéns pela Maratona e pelo pódio, sacrifico tem os seus frutos,..

BAlmeida disse...

Caro Zeca,

Foi com grande alegria que recebi a noticia do teu record pessoal, na realidade, e após muitas "guerras" que já passamos juntos, que sei que esta marca que agora conquistaste é só mais um passo para fazeres mais e melhor.
Cá estaremos (eu e Guilherme) para te apoiar e incentivar sempre nesta tua "filosofia" de vida que é a corrida. Pode ser que um dia acompanhes e inicies o teu afilhado nestas andanças.
Um forte abraço
Bruno

Anónimo disse...

Que grande prova!

Se assim é no Porto o que será em Roterdão.

Beijocas,

Manuela

MPaiva disse...

Caro José Capela,
Tenho acompanhado o teu desempenho nos relatos que vais deixando neste blog e admiro os resultados que tens conseguido.
O brilho do magnífico tempo conseguido nesta Maratona do Porto é, pois, inteiramente merecido pela dedicação com que te entregas à corrida!
Lembro-me de te ver passar cerca de 23 Km (ia eu para a Afurada) e vi que ias fresco. Felizmente conseguiste manter essa energia até ao final.
Apesar de ter corrido também a prova, não tive oportunidade de te conhecer pessoalmente, o que, estou certo, acontecerá numas das próximas provas. Aí, as felicitações serão entregues directamente!
abraço
MPaiva

Jorge disse...

Meu amigo José, nada melhor do que retornar a prova que iniciamos a correr e reencontrar velhas lembranças parabéns garoto pela prova e pelo recorde.
Um forte abraço e bom final de semana.
Boas passadas.

JORGE CERQUEIRA
www.jmaratona.blogspot.com

Anónimo disse...

Caro José Capela
só hoje tive o prazer de passar por aqui e ler esta bela crónica de uma fabulosa caminhada rumo à superação.
muitos parabéns. que grande feito.
um Bravo Exemplo!
votos de excelente recuperação e de melhores corridas vindouras.
que o prazer aumente em cada uma.
um abraço
AB - tartaruga

joaquim adelino disse...

Olá José Capela
Passei por aqui e chamou-me a atenção o entusiasmo com que encarou a Maratona, o planeamento e execução do treino devem ter sido rigorosos e também deve ter funcionado muito bem o auto-controle. Atento também estive ao tempo que alcançou tendo por isso batido o seu recorde, foi o facto de à precisamente 16 anos!! na Maratona de Lisboa eu ter feito também 2,54h. e ter ficado assinalado como o meu recorde nessa distância. Como ainda é muito novo certamente este seu recorde não irá durar muito tempo.
Até um dia destes.